right_side

quem sou

Sou eu um indivíduo que entende que somos responsáveis por tudo que cativamos. No meu dia-a-dia eu busco ter responsabilidade pelos sentimentos que ensejo nos outros. Ah! Eu me alimento de pessoas! Sou arquiteta e, por não conseguir conter meu o traço aprisionado na minha alma, dou vazão a minha expressão criadora deixando fluir livremente, fazendo do meu mundo um jardim, com muitas flores e cores... ë para esse cantinho virtual, colórico e floral, que te convido a entrar e ficar bem à vontade para contemplar essa expressão minha e sua: minha no fazer e sua no sentir. Contate-me: erikacoelho1000@gmail.com 77 9999 8618

se meu jardim der flor, colore em mim...


sua impressão ou expressão, comente!

traduzir... será Arte???

no tempo da delicadeza...

quem vê o meu jardim

arquivar pra você me encontrar

você é meu visitante:

In:

Rosa Profundo












ÉRIKA COELHO

oleo sobre tela 1,27 X 0,40



O que é que há, pois, num nome?
Aquilo a que chamamos rosa,

mesmo com outro nome,

cheiraria igualmente bem.


In:

Gérbera :: Gér-bela




ÉRIKA COELHO
óleo sobre tela 1,10X1,10

"De todos as cores, vermelho.
De todas as flores, gérbera.
Reza toda noite antes de dormir.
E nunca esqueça de agradecer
pelas bonitezas do dia."

Briza Mulatinho

In:

Tulipa em Ouro:::Puro Glamour





ÉRIKA COELHO
óleo sobre tela - 1,45X55*

Se as tulipas encantam
por suas matizes multicolóricas,
explodindo nos campos
em forma de arco-íris,
é tão somente para nos encantar.
Se por glomour vestiu-se de ouro,
na imponente forma de coroa
é tâo somente para que a alma
ensolarada da artista
se refletisse no seu brilhar.
Valéria Valério

*Tela disponível para venda. Contate-me.

In:

A rosa rósea


     ÉRIKA COELHO    
óleo sobre tela   -   80X80


Tu és de Deus a soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração
Sepultas um amor...

Pixinguinha



In:

Chá em minha homenagem

Érika Coelho — o retorno!

Érika Coelho voltou! Que bom! Regressou para nosso convívio e para nossa amizade. Veio (com tudo!!!) trazendo sua alegria contagiante que toca a todos. A luz que emana de sua alma de artista faz reluzir a flor — objeto de sua inspiração — e igualmente nossos espíritos, germinando sementes, arando terra, encravando raízes, elevando caules e multiplicando frutos. Sua beleza de essência se irradia por cada porção de sua sedosa pele morena, realçando negros cabelos — seus! — formosos. Que bonita que você é, amiga Érika! Interior elaborando e espelhando exterior. Seus olhos penetrantes atravessam universos incomensuráveis e atingem cada pequena partícula de nós, transbordantes de amorosidade e acolhimento. No seu quê de menina — que não esconde a sedução de mulher — pincela palavras efervescentes. “Meu ateliê é meu templo e a flor é a expressão! Minha impressão digital” — ela diz com simplicidade. O talo fora da flor! Sem pétalas! Azuis, lilás, preta... Não diz somente do surrealismo anárquico do artista, entretanto essencialmente de sua parte imaterial que grita! — em pincéis e tela — seu desejo de revolucionar e contribuir para um mundo mais belo, atrevido, autêntico e feliz. Coisa de mulher, coisa de arte, coisa de Érika! No seu desligamento cósmico, de quando em vez, ela nos surpreende “saindo do ar” quando a gente menos espera, já mergulhada em seu mundo tingido de estampas de flor fantasiosas e multicoloridas. Se eu soubesse pintar, lhe daria uma tela de tulipas maravilhosas. Se eu tivesse seu talento, lhe ofereceria uma flor vermelha, em óleo de oliva. Como não domino sua arte, entrego-lhe — em meu nome e no de todas as suas amigas — uma canção, o poema, nossa amizade, o verbo, o belo, o amor. Seja muito bem-vinda querida amiga! Um brinde à Érika Coelho.

Por Lêda Nova                                    Em 03 de setembro de 2009.

Minhas amigas Lêda Nova e Jeanne Marie organizaram um chá com minhas amigas em minha homenagem!!!Amei!!! Brinde com Salton e chorinho desta manteiga derretida que como artista que é, se sensibiliza e deixa a emoção vir a tona!!!


Agradeço a todas amigas que estiveram presentes!!! Veja as fotinhas...




                                       

In:

Uma sala muito romântica




Gente, olha que sugestão maravilhosa de sala romântica assinada por minha amiga e colega arquiteta Ana Cláudia, linda ne!!! Sempre participo de seus projetos. Este ai além de mim teve também uma criação de poesia feita por Lêda Nova ficou super sofisticado!!! Esta tela que esta ai, já foi vendida, mais posso fazer por encomenda, é só me mandar um recadinho por aqui ou no meu email: erikacoelho1000@gmail.com




Este ambiente fez parte da Terceira Mostra de Arquitetura realizada pela Arq Decor, Sebrae e Associação de Moveleiros de Vitória de Conquista.

In:

ÉRIKA COELHO... uma artesã da flor.


Érika Coelho propõe um estilo de pintura solto e livre, sem paradigmas.  Uma leveza, liberdade e singularidade expressas sem pudor no carisma natural, sem afetação, da bela mulher de biótipo longilíneo e semblante sereno por vezes emoldurado por fios de espessura fina do longo e brilhante cabelo.


Tal qual a tela, a presença de Érika é iluminada por olhos perspicazes, mas ao mesmo tempo inocentes, porventura de sua criança que anseia em receber e oferecer acolhimento e ternura.


Porquanto os deuses do Olimpo privilegiam os amantes da arte, decerto pincelaram os traços da estrutura externa e interna com a firmeza de propósitos e a sensibilidade que afloram de Érika Coelho.


Diplomada em Arquitetura e natural do Rio de Janeiro, no entanto artista plástica e conquistense por opção, o esporte é um dos seus hobbies preferidos, a natureza o seu objeto de inspiração, ama família, amigos e arte e detesta falsidade e hipocrisia.


Curte a leitura de romances, roupa despojada, ainda que arrojada. Das frutas ela escolhe a melancia, no momento a cor azul-petróleo.

                                  ****************************************************



Lêda Nova — Ainda que controversa a exata quantificação pelos estudiosos da matéria, existem cerca de 8,5 bilhões de habitantes no planeta Terra; aproximadamente 100 bilhões de estrelas na nossa galáxia; e um número ainda incalculável de outras galáxias. Diante dessa absurdez numérica, difícil até de nossa mente mensurar, aonde se situa Érika Coelho?


Érika Coelho — No eixo do meu ser. Ante essa imensidão busco ser apenas eu.


L N — A depender do enfoque um copo pode estar meio cheio ou meio vazio. Qual a relação entre essa relatividade (propagada por Albert Einstein) e a arquitetura e as artes plásticas?


Érika Coelho — A arquitetura pode e até necessita ser mais definida e terminante do que abstrata. Já as artes plásticas contêm o potencial do absoluto do surrealismo e da expansão sem limites.


L N — Seria exato então definir a arquitetura como uma manifestação demarcada e a arte uma enunciação sem fronteiras?


Érika Coelho — Considerando a mesma relatividade e suas variáveis, eu diria que a relatividade da arte é infinda enquanto a arquitetura inclina-se ao atendimento das necessidades de conforto, bem-estar, progresso. Simultaneamente a arquitetura é a arte das formas, das curvas às retas; o concreto transmutado em poesia; barro se fazendo lar, escola, monumento! Segundo o mestre Niemeyer “quando uma forma cria beleza, ela se torna funcional e desse modo fundamentalmente arquitetura”.


L N — Quando pinta uma flor você adentra no espaço abstrato do surrealismo?


Érika Coelho — Um talo fora, ao lado, acima, abaixo da flor, flores sem pétalas, multicoloridas. Isto é surrealismo, catarse.


L N — Então se poderia dizer que Érika Coelho é uma artista plástica antes do que uma arquiteta?


Érika Coelho — Exercito mais a pintura, a expressão maior da minha arte. Inegável, entretanto que devo à arquitetura a base da proporção, das cores, da criatividade. Sem dúvida a arquitetura é o embrião em mim por onde nascem as flores.


L N — Se todos preferissem o amarelo o que seria do vermelho?


Érika Coelho — Uma cor é coadjuvante da outra, cada qual tem seu poder e espaço. O amarelo sugere a integração e estimula a inteligência. O vermelho entrevê a força, é a linguagem da paixão.


L N — E aí? Como seria o mundo sem o vermelho?


Érika Coelho — Na medida em que encoraja o amor e a paixão o vermelho aproxima. O mundo sem vermelho? Ih! O vermelho causaria falta. Sem vermelho seríamos incompletos!


L N — Diga do preto e do branco.


Érika Coelho — Preto é requinte. Branco? Ausência de personalidade.


L N — Em outra ocasião você afirmou que o branco é sua loucura artística. Como é isto?


Érika Coelho — O branco só existe enquanto misturado a outras cores. Ao mesmo tempo quando se mistura o branco, ele desaparece, se dissolve e se transforma na cor predominante, deixando assim de ser.


L N — O que seria do mundo sem o branco?


Érika Coelho — Considerando que o branco é luminosidade e não cor; que é um artifício e um instrumento para se criar cores; e que o branco necessita de outro para ser preenchido — o mundo sem o branco provavelmente ficaria menor porque sem trajetória para vir o novo. Não disse que o branco é minha loucura artística (risos)?


L N — Defina a dor e o prazer.


Érika Coelho — Excluindo a saúde, a dor busca quem quer, de repente por opção. Assim como o prazer.


L N — Belo e feio.


Érika Coelho — O belo personifica a maneira de viver, é a história que cada um vive e imortaliza. Já o feio não passa de modelos estereotipados.


L N — Inocência e perversão.


Érika Coelho — Um traço de pintura é inocência. Invasão de privacidade é perversão.



L N — Vamos conjugar verbos? Topa?


Érika Coelho — Claro!


L N — Violentar.


Érika Coelho — Pode ser a palavra. Mal colocada é pior do que uma urtiga.


L N — Boicotar.


Érika Coelho — Censura de expressão.


L N — Queimar.


Érika Coelho — Abalar minha sensibilidade me queima.


L N — Pintar.


Érika Coelho — Sou moleca, arteira e criança. Pinto o sete!


L N — Seduzir.


Érika Coelho — Charme me seduz!


L N — Amar.


Érika Coelho — Amar é se sentir amada.





L N — Se eu só pudesse lhe dar um presente e tivesse uma flor, um perfume e um livro. Qual você escolheria?


Érika Coelho — Escolheria a flor. Brado minha identidade com a flor! Se você me desse uma flor eu teria ganho de presente a sua sensibilidade e o âmago do que você é.


L N — Revele: quem é Érika Coelho?


Érika Coelho — Um indivíduo que entende que somos responsáveis por tudo que cativamos. No meu dia-a-dia eu busco ter responsabilidade pelos sentimentos que ensejo nos outros. Ah! Eu me alimento de pessoas!


L N — Se eu lhe dissesse que você é uma flor o que me responderia Érika?


Érika Coelho — Eu diria (risos) que a flor é a minha marca, a tatuagem de minha alma. Com a flor eu viajo dentro de mim, num anseio por algo maior, outra dimensão. E também caminho pelo outro e no Universo. Se eu fosse uma flor, ah! Se eu fosse! Eu seria eterna e apesar dos espinhos, ih! Os espinhos têm um quê de mistério! Eu uma flor? Incontestável que essa flor que eu seria bastaria para o ato de existir e de ser.

L N — Se eu só pudesse lhe dar um presente e tivesse uma flor, um perfume e um livro. Qual você escolheria?


Érika Coelho — Escolheria a flor. Brado minha identidade com a flor! Se você me desse uma flor eu teria ganho de presente a sua sensibilidade e o âmago do que você é.


L N — Revele: quem é Érika Coelho?


Érika Coelho — Um indivíduo que entende que somos responsáveis por tudo que cativamos. No meu dia-a-dia eu busco ter responsabilidade pelos sentimentos que ensejo nos outros. Ah! Eu me alimento de pessoas!


L N — Se eu lhe dissesse que você é uma flor o que me responderia Érika?


Érika Coelho — Eu diria (risos) que a flor é a minha marca, a tatuagem de minha alma. Com a flor eu viajo dentro de mim, num anseio por algo maior, outra dimensão. E também caminho pelo outro e no Universo. Se eu fosse uma flor, ah! Se eu fosse! Eu seria eterna e apesar dos espinhos, ih! Os espinhos têm um quê de mistério! Eu uma flor? Incontestável que essa flor que eu seria bastaria para o ato de existir e de ser.


L N — Não se engane Érika. Você efetivamente é uma flor!


(entrevista publicada na edição de 14.11.2008 no Diário do Sudoeste da Bahia)